Fale conosco

pedale.piaui@yahoo.com.br

Qual a bicicleta ideal para você andar na cidade?

A bicicleta é um veículo muito simples e de um modo geral você vai conseguir pedalar em qualquer modelo de bicicleta. Entretanto, se você vai usá-la diariamente, existem alguns detalhes que podem tornar sua vida muito mais fácil.

Aqui vão algumas dicas gerais básicas. Futuramente falaremos mais detalhadamente de alguns itens específicos.

Estabilidade – Modelo e tamanho do quadro
Para saber o tamanho ideal do quadro, não se deve levar em consideração apenas a sua estatura, pois o tamanho das pernas, braço e tronco variam de uma pessoa para outra.

O ideal é calcular a altura de seu cavalo, que é a distância entre o calcanhar e a zona do períneo (região que fica em contato com o selim da bicicleta durante a pedalada).

O macete é o seguinte, sua perna deve ficar quase 100% esticada ao sentar no selim e apoiar seu calcanhar na posição mais baixa do pedal.

Postura – guidão
Para uso geral na cidade, é recomendável uma mesa com guidão mais alto, mantendo assim uma postura mais ereta. Mas cuidado! Se o pavimento não for bom ou houver muitos desníveis, evite ficar com a coluna totalmente reta (90º em relação ao chão). Isso pode causar muito impacto nas vértebras. Alguns modelos possuem regulagem de altura, mas podem desgastar com relativa facilidade. É mais indicado encontrar um guidão fixo com a altura certa para você.

Hoje em dia, os modelos mais comuns são os guidãos retos de MTB ou aqueles “chifres de bode” das bicicletas speed:

guidão reto

guidão reto


guidao-speed

guidão speed

Infelizmente modelos mais ergonômicos têm sido abandonados aqui no Brasil.

Conforto – Selim
Se você não estiver confortável, você pode acabar desistindo de usar esse meio de transporte autopropelido diariamente ou pelo menos, ele vai parecer bem menos atraente.

Eu pedalo diariamente há mais de dois anos. Rodo em média 400km por mês. Já cheguei a rodar 100kms num dia na minha bici e não fiquei com dor alguma (exceto o cansaço, lógico). Mas usei bicicletas com selins duros que, após 15km, eu já estava rezando pra chegar.

Não existe um único modelo perfeito. Vai do gosto de cada um. Experimente antes de escolher ou converse com alguém mais experiente. Mas desconfie dos modelos extremamente baratos.

Esses três são os primeiros itens que você deve levar em consideração ao escolher sua bicicleta. Pode parecer exagero, mas faz realmente diferença. Por serem escolhas mais subjetivas e muito particulares, eles acabam não recebendo a importância adequada.

Segurança – freios
Os tipos mais conhecidos de freio são: cantilever, a disco, contrapedal e v-brake. Esse último é o que possui a melhor relação custo/benefício.

Eficiência – marchas
A variação de preços é enorme. Para evitar dor de cabeça, se você vai usar a bicicleta com muita frequência, invista num bom grupo. Não precisa ser também dos mais caros, afinal de contas você provavelmente não terá tanto contato com barro e poeira andando na cidade.

Já está pra lá de bom um grupo Shimano Alivio ou SRAM 3.0 ou algo compatível. Preste atenção no modelo dos grupos. Não basta ser da Shimano para ser uma boa marcha.

Simplicidade
Uma alternativa é usar uma bicicleta roda-fixa. Não tem marcha e em muitos casos nem mesmo o freio é instalado. Tudo é controlado no pedal. Por conta disso, seu preço é menor e sua manutenção muito mais simples. Uma forma completamente diferente de pedalar que requer um período de adaptação.

Não falamos de alguns acessórios básicos, mas isso fica prum outro dia…

Fonte: transportehumano, 18/05/2009

Um comentário:

Adriana disse...

Super interesante estas informação!
Diria valiosas!